vc ja brigou na frente do seu filho? veja pq nunca fazer isso...

maio 04, 2012
Dessa vez eu bem que fiquei preocupada.... logico que minha casa não é um campo de guerra, mas quem nunca no carro, em casa, sei la onde nunca teve pequenas e rápidas discussões em frente ao filho... principalmente quando são bebes e a gente acha que não entendem...

olha só o que achei....



Por que não é bom discutir na frente dos filhos
Quando o objetivo de uma conversa é agredir o outro e não se entender, é bom os filhos não estarem por perto. E existem três grandes razões para isso. A primeira delas é que crianças menores de cinco anos são egocêntricas. Acreditam que tudo o que acontece tem a ver com elas. "Quando os pais brigam na sua frente, mesmo que não tenha nada a ver com ela, a criança acha que é a culpada. Ela cria uma culpa em seu imaginário e acredita que a desarmonia da casa acontece por sua causa", explica Rita Calegari, psicóloga do Hospital São Camilo Pompeia, em São Paulo. E isso acontece mesmo com as bem pequenas, que sentem o clima ruim e ficam angustiadas. É preciso mudar a energia do casal para ela ter a sensação de amor e segurança de volta. Para as que já entendem um pouco, é necessário explicações. Quando o assunto não é conversado - ou é mal conversado -, o resultado é uma criança culpada, um verdadeiro estrago em sua auto estima em construção.
O segundo motivo: crianças com menos de 3 anos não entendem o que é ironia. E por que isso é um problema? Porque as discussões raramente começam explosivas. Geralmente são dois adultos conversando, que começam a trocar farpas, com direito até a algumas risadas. Em determinado momento, um dos dois perde a paciência e explode. Do ponto de vista infantil, não há como entender por que duas pessoas que conversam (ela não capta que já estão discutindo) de repente começam a gritar e chorar. Fica a referência de que os diálogos dos pais sempre terminarão em gritos e isso gera o sentimento de instabilidade. Ela começa a desconfiar dos adultos, já que não sabe como eles irão reagir. A criança passa a ter um sentimento de impotência e insegurança. Ama os pais, sabe que precisa deles e, quando assiste às brigas, fica com a sensação de que as relações são muito frágeis. Para piorar, dependendo da idade, ela pode até tentar entrar na discussão e muitas vezes, no calor da raiva, o adulto pede para ela se calar, não vendo que o objetivo é apenas proteger a unidade familiar. Além disso, muitas vezes o filho pensa que deve sair em defesa de um dos pais, o que causa bastante sofrimento.
Por último, é sempre bom lembrar que os pais servem como uma referência. Eles são os tradutores da vida. A criança vai imitá-los, tentando resolver seus problemas com outras crianças também com gritos e choro. Pode acabar repetindo os mesmos padrões de hostilidade em suas relações sociais.



O Lado Bom das discussões



Discutir nem sempre é brigar. Assistir a uma conversa em que os adultos usam um tom relativamente normal, expõem seus argumentos e trocam ideias para chegar a um acordo pode ser saudável e educativo para a criança. Ela aprenderá como é importante defender suas opiniões, sempre de forma gentil e educada. Também saberá que o pai pode ter uma posição sobre determinado assunto, a mãe outra e ele poderá ter outra ainda. E tudo bem. Com o tempo, vai desenvolver sua capacidade de argumentação, de raciocínio, de crítica e de lógica. E também saberá ser mais tolerante e aceitar o ponto de vista do outro.
Nunca ver uma discussão saudável entre os pais cria um ambiente que não é verdadeiro. A criança não aprende que pode lutar por suas ideias. Não saberá como funciona uma discussão - lembre-se de que ela aprende por imitação. Ou, o que pode ser pior: se um dos pais, para manter a paz familiar, decide simplesmente acatar a opinião do outro sem discutir ou dar vazão aos seus sentimentos, isso também ensina algo que não é legal. A criança corre o risco de fazer o mesmo no futuro, achando que o correto é esconder o que sente para evitar discussões.
Mas atenção! Quando o assunto é a criança, como questões referentes à sua educação ou ao comportamento, jamais o faça na frente dela, mesmo que a forma de discussão seja saudável. "Isso fragiliza o modelo parental. As divergências devem ser sanadas e, posteriormente, deve ser informada aos filhos qual a posição dos pais como uma unidade. Isso faz com que exista uma consistência e passa para a criança a ideia de unidade, segurança", explica Ricardo Halpern, pediatra e presidente do Departamento de Saúde Mental da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Como agir quando a discussão é mais violenta
Brigas mais sérias, envolvendo palavrões e até atos de violência, podem acontecer. Nesse caso, a situação merece uma atenção ainda mais especial. "Quando a discussão for muito agressiva, destemperada, com palavrões e às vezes com atos violentos, é importante conversar com a criança num momento mais calmo, explicando que o que aconteceu não é normal, nem natural, nem desejável, mas às vezes acontece. E vale a regra de explicar que ela não precisa se preocupar nem procurar ajudar, pois os adultos vão resolver entre eles", avisa a psicóloga Daniela. Mas realmente aguarde vocês se acalmarem. Em um primeiro momento, apenas a tire da cena, explicando que está tudo bem, que vocês apenas perderam a calma e que mais tarde vocês irão conversar. Durante esse tempo, mantenha-a fazendo algo de que goste. Vale até pedir a ajuda discreta de um amigo ou parente, enquanto os adultos resolvem a situação.
Quando você briga com os seus pais na frente dos seus filhos


Trata-se de uma situação bastante complicada, pois, além de presenciar uma discussão do tipo não saudável, ela envolve pais e avós e serve de exemplo direto de como papai e mamãe tratam os próprios pais. Como exigir respeito do seu filho se você acaba de demonstrar que não respeita os seus pais? "O efeito sobre a criança é perverso. Ela vê que os próprios pais não conseguiram ter uma relação equilibrada e adulta com seus genitores, o que abala a crença de que os conflitos que vivem serão sanados com a maturidade", diz a psicóloga Daniela. O melhor é sempre dizer a verdade de forma coerente com a idade da criança. É o momento de explicar que as relações podem ser diferentes, mostrar que você e sua mãe, por exemplo, ainda estão tentando encontrar um caminho bacana para conversar e que o aconteceu não foi legal, mas pode ocorrer. Mostre que muitos sentimentos serão mais bem entendidos e administrados quando se torna adulto, mas que é normal adultos, inclusive pais e filhos, ainda precisarem discutir para chegar à boa convivência. Não faça muitos dramas e aprenda a separar sua relação com os seus pais da relação deles como avôs. Isso significa que, mesmo se entendendo mal ou discutindo, seus filhos irão ver e passear com os avôs. A relação é outra.
  

fonte: http://bebe.abril.com.br/materia/briguei-na-frente-do-meu-filho-e-agora

Gostou? 
Comente, de sua sugestão, diga o que vc pensa! 
Twitter: www.twitter.com/mariababona 
FanPage: www.facebook.com/mariababona 
Instagram: www.instagram.com/mariababona
Tecnologia do Blogger.