Seu filho tem 2 anos? Ele já estuda inglês?



Pense em “APRENDER INGLÊS”. Qual o primeiro sentimento que lhe vem à tona? Medo? Dificuldade? Frustração? Calma! Aprender inglês não precisa ser assim.

Ninguém duvida da importância de saber falar inglês nos dias globalizados de hoje. A língua inglesa está cada vez mais presente em nosso dia-a-dia, no uso do I-pad, Apps, computadores, celulares, filmes, desenhos, anúncios, placas de rua e onde você menos espera. Já é tão comum que nem reparamos mais. Já experimentou contar quantas palavras em inglês você vê durante um dia? Experimente. Você se surpreenderá! E não adianta ignorar o inglês é presença marcante em nossa cultura e sociedade.

A discussão hoje em dia não é mais SE devemos aprender inglês. A grande questão é: QUANDO COMEÇAR? Alguns especialistas afirmam que uma criança só deve começar a aprender um novo idioma após a alfabetização, ou seja, aos 7 anos. Para outros, o aprendizado deve começar somente após os 10 anos. Mas, para a maioria dos especialistas, “quanto mais cedo melhor”.

Afinal, qual a idade ideal para começar?





Evidências baseadas em recentes pesquisas sobre o funcionamento da mente comprovam que aprender um novo idioma na infância, se feito corretamente, só traz benefícios à criança, desde a eficiência e facilidade com que o novo idioma é absorvido, até um maior desenvolvimento da capacidade de memorização, de concentração, de raciocínio e de sociabilização. Ajuda também no aumento da auto-estima e até, pasme, em matemática!

E porque? Toda e qualquer criança nasce, e permanece, durante os primeiros seis anos de vida, com as “janelas de aprendizado” totalmente abertas. Isso significa que toda criança já nasce com as ferramentas necessárias para aprender idiomas. É assim que aprendemos nossa língua-mãe! Ao ser exposto à um segundo idioma, o cérebro busca os mesmos mecanismos, ou seja, os mesmos “caminhos” que usou no aprendizado da língua-mãe. O cérebro de uma criança é flexível o suficiente para aumentar sua atividade geral e criar novas conexões. Essas conexões, chamadas de memória, são as responsáveis pelo aprendizado. Quanto mais conexões se formam, mais o indivíduo aprende, e mais fácil o aprendizado se torna! A partir dos sete anos, o cérebro começa a diminuir a capacidade de criar essas novas conexões, e passa a ter que trabalhar mais para criar “mais espaço” para o novo idioma.

O mesmo acontece com a pronúncia. Todos nós nascemos com um aparelho fonador capaz de reproduzir com perfeição qualquer som de qualquer idioma. Até os 6 anos de idade, o aparelho fonador da criança ainda está em formação, fazendo com ela esteja preparada para reproduzir qualquer novo som perfeitamente, sem inibição, e sem nenhuma dificuldade.

Existe um fator chave quando se fala em aprendizado de idiomas: a INTERFERÊNCIA. Acompanhe-me numa analogia. Imagine dois indivíduos: uma criança de até seis anos, e uma criança mais velha ou mesmo um adulto. Se o cérebro dessas duas pessoas fosse um livro, o cérebro da criança de até seis anos seria um livro em branco, e o cérebro da criança mais velha, ou do adulto, seria um livro já cheio de informações.

Quando expomos uma criança pequena a uma palavra, à pronúncia de um som, ou a uma frase no novo idioma, ela simplesmente “acrescenta” essa informação em seu livro em branco. Sem questionamentos, sem dúvidas, sem resistências. Ela aceita a nova informação, e esta informação passa a fazer parte de sua vida. Nesse processo, a criança não comparou o novo idioma com a língua-mãe, não o rejeitou, e não o analisou, ou seja, não houve INTERFERÊNCIA. Ela “adquiriu” o novo idioma naturalmente, e sem perceber. Esta é a maneira ideal de se aprender.


O que os especialistas comprovaram é que a criança tem a capacidade de separar as informações no cérebro em diferentes “compartimentos”, criando uma “gaveta” para a primeira língua, e uma outra “gaveta” separada para cada nova língua que aprender.   É por isso que a criança fala vários idiomas sem se confundir. Ela simplesmente acessa a “gaveta” correspondente ao idioma que quer usar, e não os mistura nem os confunde. Com o passar dos anos, essa capacidade de criar novas “gavetas” se acaba, e o aprendiz não tem outra saída senão colocar o novo idioma na mesma “gaveta” da língua-mãe.
Já sabemos quando devemos começar a aprender. A grande questão agora é: COMO ENSINAR?

A forma correta de se ensinar um idioma a uma criança e até mesmo a um adolescente, um adulto pode ser resumida duas palavras: NATURAL e DIVERTIDO. O aluno tem que se divertir, e o aprendizado tem que ser natural, como foi o da língua-mãe, e estendo esta observação a todas as fases da vida, pense você como adolescente ou adulto, como você aprende melhor? Com uma metodologia engessada, rotineira, maçante e repetitiva? Ou você prefere algo estimulante, divertido que chame sua atenção?
The kids Club Campinas, Marcela 2 anos
Para entender o aprendizado natural, observe um bebê aprendendo a falar. Ele ouve, experimenta, ouve, sente, ouve, toca no que está ouvindo, ouve mais um pouco, e depois de ouvir o suficiente e achar que compreendeu o significado, ele se sente pronto, e aí ele fala. E a partir desse momento, ele nunca mais esquece aquilo que aprendeu a falar. Uma aula de inglês, ou de qualquer segundo idioma, tem que ser assim. A criança tem que ouvir o máximo possível, e assim vai adquirindo conhecimento até poder falar espontaneamente. Dizemos que, assim, a criança aprende inconscientemente, sem perceber. Ela demorará um pouco mais para falar, mas quando falar, não esquecerá mais.

Para isso, basta que ela ouça o idioma em sala de aula o máximo possível, e da forma mais divertida possível. Estorinhas infantis, músicas, peças de teatro, jogos, brincadeiras, culinária, pintura, artes, ... Vale tudo, desde que o professor fale o idioma em questão o tempo todo em sala de aula. Só assim o aprendizado natural acontece, com a criança ouvindo, interagindo, e, é claro, se divertindo.

O resultado disso? Uma criança que falará um novo idioma com facilidade e naturalidade e, o mais importante, o aluno aprenderá a gostar deste idioma, e com isso estará sempre motivado a saber mais.   Esta criança terá, então, aprendido a aprender, e não terá qualquer dificuldade quando adulto.

Uma outra novidade são os Cursos Junior para estudantes a partir de 7 anos, com material incrível, interativo e com temas modernos na parceria que a Franquia firmou com a Cengage e National Geographic.
A TODO MOMENTO É HORA DE APRENDER

A aquisição de um novo idioma cria oportunidades de desenvolver habilidades, e é nosso dever, então, oferecer às crianças métodos e materiais que incentivem cada vez mais esse maravilhoso processo.

Venham conhecer nossos cursos para crianças a partir de 2 anos! Com metodologia lúdica e direta (100 % em inglês).

Leitores do blog têm desconto!

Consultem nossa sede!
F: 19 3383 -4444
Email:secretaria.campinas.sp@thekidsclub.com.br

Juliana Tedeschi Hodar
Coordenadora Pedagógica
The Kids Club Campinas – Unidade 2

Sobre o The Kids Club :

THE KIDS CLUB  by Fun Languages é uma franquia de origem inglesa, presente no mundo inteiro, especializada no ensino de idiomas para crianças a partir de 2 anos de idade. Seu método é inovador e divertido, totalmente diferente dos sistemas tradicionais de ensino.
O método foi desenvolvido na Inglaterra em 1986, a partir das experiências da pedagoga Linda Ellis. A rede alcançou um sucesso recorde de expansão. A prova disso é que hoje, o THE KIDS CLUB conta com cerca de 600 franquias espalhadas por países como a França, Portugal, Austrália, Inglaterra e muito mais, que representam quase 100 mil alunos pelo mundo.
O método THE KIDS CLUB foi implantado no Brasil em 1994 para o ensino da língua inglesa, e vem se expandindo dia a dia. Atualmente, possui mais de 100 franquias em todo o país, oferecendo um curso moderno e altamente qualificado.
Tecnologia do Blogger.